sexta-feira, 21 de agosto de 2009

eu quero.


Queria que todos os bons sentimentos fossem recíprocos.
Queria que aqueles que eu julgo meus amigos fossem sempre sinceros comigo.
Queria que quando o sentimento passasse, acabasse, virasse qualquer outra coisa, as pessoas se avisassem, cumprissem um aviso prévio...
Alguém aqui acha que é muito querer evitar a surpresa da ruptura?
Queria que o amor fosse para sempre, que fosse verdadeiro.
Esse amor de hoje, que todas as pessoas dizem sentir, banalizando o ‘eu te amo’, não é verdadeiro. É qualquer outra coisa, menos Amor de verdade – esse com letra maiúscula e tudo.
Queria que as pessoas se abraçassem mais e com mais carinho.
Queria sinceridade...
Sim, eu gosto. Não, eu não gosto. E nada de mentiras.
Queria que o horizonte existisse para todos, ao invés do sol brilhar para uns poucos.
Queria que a moça que vai passando na rua lá em baixo, absorta em seus próprios pensamentos e alheia a movimentação que a cerca, tivesse as mesmas oportunidades que eu e vice-versa.
Queria que não houvesse loteria, porque assim haveria riquezas suficientes para todas as pessoas.
Distribuição. Igualdade. Repartição. Doação.
Queria que as pessoas simplesmente se entregassem, ao invés de ficarem bolando planos, jogadas e planejando todos os passos de uma relação.
Queria mais uma porção de coisas...
Mas agora, para esse exato instante, quando sou acometida por um turbilhão de pensamentos, eu acho que queria uma coisa bem simples... Um sorriso. Um abraço.
Queria Montes Claros e meus amigos comigo.

5 comentários:

Juliana disse...

Nem tudo o que nós queremos, podemos ter.

Mas espero que grande parte do que você queira, você consiga!

beijo flor!

Grão de Areia disse...

Pessoalmente, queria um barco a motor...

Auíri Au disse...

Fica com as palavras...
beijos

Wenderson Rodrigues disse...

O seu blog, seus pensamentos são muito interessantes. Você é uma ótima escritora. Estou seguindo. Posso? Bjus.

Lis disse...

eu, particularmente, quero a estrada.

=*